+55 43 3512-1000     faleconosco@capal.coop.br
  INICIAL A COOPERATIVA SEJA UM COOPERADO UNIDADES
 
INSTITUCIONAL
NOTÍCIAS
AGENDA
PUBLICAÇÕES
LINKS ÚTEIS
DOWNLOADS
   



11
Ago 22

Antonio Rosolen: confiança no cooperativismo que gera desenvolvimento




Foi em 2004. Uma cooperativa com unidades em Wenceslau Braz e Carlópolis, no Paraná, estava em dificuldades financeiras graves. A Capal Cooperativa Agroindustrial, então, entrou em cena, com incorporação dos produtores ao seu quadro social, mudando os rumos do agronegócio e do cooperativismo na região.

A unidade de Wenceslau Braz apresentava potencial para o cultivo de grãos. Em Carlópolis, o cenário era diferente. A fruticultura, a avicultura e a cafeicultura eram as principais atividades na região, e esses segmentos não faziam parte das operações da cooperativa.

O que para muitos poderia ser um problema, devido ao desconhecimento das atividades e à Unidade ser pequena, foi visto pela Capal como uma oportunidade.

O trabalho dedicado da gestão e da equipe técnica transformou o panorama de incertezas em o desenvolvimento dos associados e da cooperativa. Ao longo do tempo, o crescimento no quadro de associados, a abertura das fronteiras para o café nos estados do Paraná e São Paulo levaram ao sucesso na cafeicultura. Hoje, a Capal tem uma cafeeira própria, com recebimento, beneficiamento, armazenagem, comercialização e torrefação, levando o produto cultivado lá na lavoura até a mesa do consumidor, com qualidade e excelência.

Esta é uma parte da reportagem especial que conta a história de três produtores que escolheram a cafeicultura como seu meio de sustento. Ou será que foi o café que os escolheu? Pegue sua xícara e conheça o cooperado Antonio Rosolen.

Confiança no cooperativismo que gera desenvolvimento

Antonio Aparecido Rosolen tinha 26 anos quando saiu da casa dos pais em busca de um futuro. Naturais do estado de São Paulo, ele e os quatro irmãos mais novos escolheram Carlópolis, no Paraná, como a cidade para plantar seus primeiros cafeeiros.


Os irmãos decidiram dedicar-se à atividade também praticada pelo avô, mas o início não foi fácil. Eles compraram o primeiro pedaço de terra e mantiveram-se sozinhos, crescendo pouco a pouco.

"O café é uma coisa que vicia. Você planta a mudinha, vê crescer... Se vejo alguém derrubando, quebrando um pé de café, é como bater em um filho meu”, brinca o produtor.

A paixão pela atividade, porém, não é brincadeira. Está estampada no rosto e é percebida por quem quer que converse com Rosolen, que em 2022 completa 40 anos de dedicação à cafeicultura.

Das quatro décadas, 15 anos são como associado à Capal. Ele não esteve entre os primeiros cooperados na região, pois levou algum tempo até resolver associar-se. A equipe precisou convencê-lo de que a cooperativa seguia mesmo os princípios do modelo de gestão cooperativista defendia por ela. “Tivemos duas experiências com cooperativas que foram muito desagradáveis, porque deixaram prejuízo. É como diz o ditado, cachorro mordido de cobra tem medo de linguiça. Então, quando a Capal chegou, nós tivemos uma resistência muito grande”, recorda o produtor.

Um dos fatores que o levou a decidir por tornar-se cooperado foi a confiança transmitida nas visitas da equipe técnica e administrativa, principalmente quando percebeu que o objetivo não era vender produtos. Confiança que se mantém até hoje.

O preço dos insumos, aliado à disponibilidade por conta da programação de safra, é um dos diferenciais apontados por ele. “Passei a comprar 100% na Capal, nem procuro outro lugar, porque sei que vou perder tempo”, afirma.

Além da disponibilidade de insumos, Rosolen também cita o trabalho do Departamento de Assistência Técnica (DAT) como um elemento fundamental para o sucesso na atividade. “Sem o agrônomo em campo, não tem jeito”, ele afirma, irredutível.

Assim como na história de Vitorio, o estudo das características do solo apareceu como uma inovação, que ele ainda não conhecia.

Também foi o engenheiro agrônomo José Ryoti Nakabayashi quem apresentou para ele a possibilidade de se analisar o solo para identificar quais eram deficiências de nutrientes e as correções que realmente precisam ser feitas. Rosolen aponta que, desde então, percebeu uma grande economia na compra de insumos, além do aumento da produtividade.

Hoje, os primeiros cafeeiros de Antônio Aparecido Rosolen se tornaram 202 hectares, que continuam sendo administrados pelos irmãos e suas famílias. Infelizmente, um dos irmãos já faleceu, mas sua memória é honrada pelo trabalho dedicado da família na gestão da propriedade. Cada um tem sua função e os resultados são distribuídos de forma equitativa entre todos.

 

Assim como os produtores da reportagem, a Capal escolheu a cafeicultura... Ou foi o café que a escolheu? Analisando a situação, a Capal percebeu que o segmento tinha espaço para crescer, reinventar-se, devolver o brilho e o orgulho aos produtores. Quando incorporou aquela cooperativa em dificuldades, reanimou o sistema cooperativista na região, mudando a imagem negativa anterior. Hoje, esta cultura é mais um dos ramos de atuação que promove o desenvolvimento dos associados e fortalece o cooperativismo.  
 
 
 


Hiroshi Yamashita: cooperando se vai mais longe

Antonio Rosolen: confiança no cooperativismo que gera desenvolvimento

Vitorio Aguera: aplicação de conhecimento técnico aumentou produtividade

Estreitando laços entre Cooperativa e cooperado - conheça a propriedade de Arnald Bronkhorst e família

De pensar em desistir, até ser referência em produtividade no café

Gestão eficiente e leite de qualidade: o exemplo da família do cooperado Marinus Teunis Hagen Filho

Aprimorar estrutura e qualidade de produção é meta constante na propriedade Reunidas Barbosas

Vaca holandesa de cooperado recebe pontuação máxima e inédita no Brasil

Cooperados Capal conquistam padrão Ouro em auditoria da Unium

Cooperados Capal recebem prêmio por alta produtividade de milho

Osmil e Murilo Sala são adeptos do Programa de Precisão na Agricultura da Capal, que proporciona ferramentas para melhor aproveitamento do solo

Cafés especiais: um horizonte lucrativo – Conheça o cooperado Luiz Saldanha

Nutrição adequada resulta em aumento de renda e prosperidade

Maria Elza Ishizuka – Crescimento econômico e social

Renato Zambianco Nastaro – Salto de qualidade na agricultura

Cassemiro Turkiwcz – Uma história de cooperação

Conforto animal e boa alimentação garantem ótima produtividade

Amor pelos animais: uma tradição que vem de família

Exemplo de dedicação e respeito pelo trabalho no campo

Umberto Dalcin – Além de ser um cooperado 100%, ajuda a divulgar a Cooperativa através da sua propriedade

Em Itararé, o cooperado Murilo Ruivo de Mello é exemplo de dedicação ao trabalho no campo

Dedicação no preparo de animais para exposições

Cooperado de Carlópolis aposta em nutrição animal para obter mais retorno na produção de leite

Alianças que fortalecem o cooperativismo

Um exemplo de dedicação e de fé no trabalho no campo

Café - Trazendo alegria e renda ao produtor de Carlópolis (PR)

Trabalho dedicado e diversificação na propriedade garantem os resultados

Histórias que fazem parte da história da Capal

É possível explorar o potencial da propriedade sem esgotar a terra

Apostar na diversificação é garantia de mais estabilidade no campo

Dedicação ao trabalho no campo e organização são destaque na propriedade de Marcos Bulka, em Sengés-PR





+55 43 3512-1000
faleconosco@capal.coop.br
A COOPERATIVA
- História
- Visão
- Administração

SEJA UM COOPERADO
- Vantagens
- Como ser um cooperado
- Formulário

UNIDADES
PRODUTOS E SERVIÇOS
Rações
- gado de leite
- gado de corte
- outros animais
Sementes
- soja
- trigo
Recepção e Secagem
Loja de Produtos
Postos de Combustível
INSTITUCIONAL
- Trabalhe conosco
- Fale conosco
- Vídeo institucional
- Galeria de imagens

NOTÍCIAS

AGENDA

PUBLICAÇÕES
- Editoriais
- Relatórios
Capal Cooperativa Agroindustrial - 2014 | Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Marketing Mix
Rua Saladino de Castro, 1375. Arapoti - Paraná - Brasil - Fone: (43) 3512-1000. Fax: (43) 3557-1633